Ruy Carneiro cobra reforço em fiscalização da Lei Seca na Paraíba

Para Ruy Carneiro um grave problema que afeta a fiscalização é a falta de condições efetivas de trabalho para os agentes de trânsito

Por Júnior Viriato 03/05/2018 - 16:49 hs

Autor, junto com outros deputados federais, do projeto que torna a lei seca mais rígida, Ruy Carneiro diz que a campanha mundial Maio Amarelo – de conscientização sobre a segurança no trânsito -, traz a oportunidade para que a sociedade possa cobrar do Governo da Paraíba mais eficiência na fiscalização e punição a quem dirige após consumir bebida alcoólica.

“A insegurança na Paraíba também traz reflexos diretos na baixa fiscalização da lei seca. Hoje o efetivo policial do Estado é o mesmo de há 15 anos, isto com o crescimento da população, da frota de carros e de habilitados”, compara.

Para Ruy Carneiro, outro grave problema que afeta a fiscalização é a falta de condições efetivas de trabalho para os agentes de trânsito. Ele diz que é recorrente entre os profissionais as queixas à falta de suporte operacional nas blitze e até o atraso nos pagamentos de diárias. “Além do baixo efetivo, as operações também enfrentam dificuldades como o número insuficiente de bafômetros”, aponta.

Ainda segundo Ruy, se a situação é de dificuldade nos grandes centros urbanos, no interior a lei seca não alcança os infratores. “Há cidades na Paraíba onde as leis de trânsito parecem não existir. E não há a devida fiscalização, o que resulta muitas vezes em tragédias, na perda de vidas de nossos jovens. Precisamos cobrar do Governo do Estado mais fiscalização da Lei Seca, em todas as regiões”, conclui.

Sobre a lei seca

A primeira versão da lei seca, de 2008, utilizava como prova apenas o uso do bafômetro. Se o motorista se negasse a fazer o teste de alcoolemia, ficava impune. Em 2011, com a co-autoria de Ruy Carneiro, a lei foi aperfeiçoada, tornando-se mais eficaz. A partir de então, os fiscais de trânsito passaram a ter maior controle sobre os motoristas, podendo identificar quem infringe a legislação, mesmo sem teste de bafômetro. No último dia 18 de abril, foi feita uma nova atualização, aplicando punições mais rigorosas ao motorista.