Homem que se passava por psicólogo é preso por falsificação em São José de Caiana

Após a nomeação, ele apresentou dois atestados médicos e não compareceu ao trabalho. A Secretaria de Saúde informou ao prefeito São José de Caiana, José Leite Sobrinho, sobre as ausências do

Por Júnior Viriato 19/04/2018 - 10:12 hs

Foi decretada nesta quarta-feira (18) a prisão preventiva do psicólogo Deilton Aires Batista, de 27 anos, suspeito de falsificar atestados médicos e apresentá-lo à Prefeitura de São José de Caiana, no Sertão da Paraíba, após ser aprovado em um concurso do município.

O juiz Antônio Eugênio Leite, da 2ª Vara Mista da Comarca de Conceição, explicou que a preventiva foi solicitada pelo Ministério Público. Ao delegado Gleiberson Fernandes, da 17ª Delegacia Seccional de Polícia Civil, na cidade de Itaporanga, o suposto psicólogo Deilton Aires informou que tem certificados de mestrado e especializações falsos, os quais ainda serão periciados. Além disso, serão ouvidos os supostos órgãos expedidores dos documentos.

“Na decisão, também determinei buscas e apreensões nos endereços do psicólogo, onde foram apreendidos carimbos, papéis, atestados e outros objetos”, informou o juiz Antônio Eugênio. O suspeito foi encaminhado ao Batalhão da Polícia Militar, na cidade de Patos.

Deilton Aires passou em primeiro lugar no Processo Seletivo do Município de São José de Caiana para o preenchimento da vaga de psicólogo, com resultado divulgado no mês de março.

Na prova de títulos, ele apresentou certificado de conclusão de mestrado e especializações. Após a nomeação, ele apresentou dois atestados médicos e não compareceu ao trabalho.

A Secretaria de Saúde informou ao prefeito São José de Caiana, José Leite Sobrinho, sobre as ausências do psicólogo. Ao analisar as assinaturas dos atestados com o nome do médico José Afonso Gayoso Filho, o prefeito desconfiou da veracidade dos documentos.

De imediato, ligou para o médico, que informou não ter fornecido nenhum dos atestados. O prefeito prestou queixa à Polícia Civil, que iniciou as investigações e prendeu Deilton Aires. Redação com G1