Para aliado de Bolsonaro eles são ordem e o progresso

“Se ele (Bolsonaro) tiver inclinação para volta do regime militar vai sair todo mundo correndo da campanha dele”, afirmou Guedes nesta terça-feira (30) durante evento de um banco suíço, em São Paulo.

Por Júnior Viriato 31/01/2018 - 09:59 hs

O economista Paulo Guedes, convidado pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) a ser conselheiro econômico e futuro ministro da Fazenda, caso seja eleito presidente, disse que a junção dos dois é “a ordem conversando com o progresso”.

“Se ele (Bolsonaro) tiver inclinação para volta do regime militar vai sair todo mundo correndo da campanha dele”, afirmou Guedes nesta terça-feira (30) durante evento de um banco suíço, em São Paulo.

Bolsonaro anunciou, em novembro, o início do diálogo com o economista fundador do Instituto Millenium e da faculdade Ibmec.

Guedes disse para a plateia formada principalmente por investidores que Bolsonaro não tem vergonha de dizer que não entende nada de economia.

“A última que disse que entendia foi a Dilma (ex-presidente Dilma Rousseff) e ela quebrou o país”, ironizou o economista arrancando risadas da plateia.

Guedes afirma que segue em conversas com o pré-candidato, pois precisa saber o que ele pensa. Cita como exemplo uma ligação que recebeu do deputado. “Ele falou que não gostava da independência do Banco Central”, lembra o economista.